31 de ago de 2014

2014 - Não Esquecemos de ti, Crimson

Eis que aqui estou eu, numa madrugada de um sábado de agosto, à deriva pela internet. Entre uma música e outra de B.B.King , e depois de exatos 3 anos, 5 meses e 5 dias, eu me lembrei deste tal Doutor Crimson, que anos atrás me fazia ficar pensando sobre que assunto abordaria na próxima postagem. Lembrei dele justamente por escutar na rádio uma música de Robert Johnson, que certa vez foi protagonista em uma das histórias que contei por aqui. Decidi ver como que estavam as coisas por aqui. O encontrei mais sucinto, com uma aparência sóbria, bem diferente daquele template inspirado no álbum que deu origem ao nosso nome, template que eu mesmo elaborei no Fireworks (?).

Começamos bem, com textos interessantes (assuntos sobre os quais sempre quisemos escrever), e até com uma audiência bacana, de amigos e outras pessoas mais próximas. Queríamos abordar todos os assuntos nos quais vivenciávamos e discutíamos; tudo o que influenciava as nossas vidas. Queríamos incitar discussões e claro, ganhar alguns pageviews. E entre um erro de ortografia e outro, nossas vidas foram mudando e o hábito de escrever foi ficando para trás.

Neste período, o mundo e nós mudamos muito: Spinetta morreu, o Facebook se tornou a principal rede social e exterminou o Orkut,  o Corinthians ganhou a Libertadores, eu consegui me formar na faculdade, o outro autor está às vésperas do seu casamento...Além disso, a própria internet abriu o seu leque de ferramentas para cada vez mais nossas páginas terem vida.

Nossa visão sobre o mundo e sobre a música também mudou, ficou mais maleável, aberta...Descobertas incríveis aconteceram neste período, e seria interessante documentá-las e abri-las daqui 5, 10 anos, e ter a mesma sensação que estou tendo ao abrir uma arca que foi selada em 2009.

Apesar de nestes anos ter escutado, lido e vivenciado muitas coisas, não sei se tenho pique para voltar à ativa com este projeto malfadado. Enfim, não gostaria de sair publicando por aí material produzido por mim de péssima qualidade.

Mas, nunca se sabe, né não!? Afinal, se eu tive que fazer uma "forcinha" pra reativar essa conta no Google e e estou escrevendo aqui, por que não num futuro recente eu não volte a escrever?